Simule e contrate

G1 > Economia


Serão liberados nesta quarta os saques das parcelas creditadas em poupança social digital nos ciclos 5 e 6 de pagamento do benefício para aniversariantes em dezembro. Outros 196 mil aprovados ainda vão receber parcelas na quinta-feira. A Caixa Econômica Federal (CEF) libera nesta quarta-feira (27) os saques e transferências das últimas parcelas do calendário regular do Auxílio Emergencial para 3,3 milhões de trabalhadores que não fazem parte do Bolsa Família. O pagamento desta quarta é para os trabalhadores nascidos em dezembro. Serão liberados os saques das parcelas creditadas em poupança social digital nos ciclos 5 e 6 de pagamento do benefício. Com as liberações desta quarta, a Caixa conclui todo o calendário do Auxílio Emergencial. Os créditos das últimas parcelas do benefício se encerraram no último dia 29 de dezembro. Veja o calendário completo de pagamentos do Auxílio Emergencial Saiba como liberar a conta bloqueada no aplicativo Caixa Tem Tira dúvidas sobre o Auxílio Emergencial SAIBA TUDO SOBRE O AUXÍLIO EMERGENCIAL 196 mil aprovados Na quinta-feira (28), a Caixa vai pagar ainda pagamentos para mais 196 mil trabalhadores, que tiveram o benefício aprovado na terça-feira (26). Esses aprovados vão receber de uma só vez todas as parcelas a que têm direito. Estão nesse grupo: Beneficiários que fizeram a contestação no período de 7 a 16 de novembro e de 13 a 31 de dezembro de 2020 - 191 mil pessoas; Beneficiários que tiveram o pagamento reavaliado em janeiro de 2021, decorrente de atualizações de dados governamentais - 5 mil pessoas. VEJA QUEM PODE SACAR A PARTIR DESTA QUARTA: trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em dezembro - poderão sacar as parcelas que foram creditadas em poupança social digital nos dias 12 e 29 de dezembro Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br. Calendários de pagamento Calendário de saques do Auxílio Emergencial Reprodução/Caixa Econômica Federal Clique aqui para ver o calendário completo dos pagamentos VÍDEOS: as últimas notícias sobre o Auxílio Emergencial io. Serão liberados os saques das parcelas creditadas em poupança social digital nos ciclos 5 e 6 de pagamento do benefício. Com as liberações desta quarta, a Caixa conclui todo o calendário do Auxílo

Antes do BC dos EUA, ela foi a primeira mulher a chefiar o Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca, de 1997 a 1999. Janet Yellen REUTERS/Gary Cameron Com Janet Yellen como a primeira mulher a chefiar o Departamento do Tesouro americano, o presidente Joe Biden escolheu uma economista progressista focada no desemprego, apoiadora do estímulo fiscal e da luta contra as mudanças climáticas. Yellen, de 74 anos, prestou juramento nesta terça-feira diante da primeira vice-presidente do país, Kamala Harris, em uma cerimônia na Casa Branca, com o prédio do Tesouro ao fundo. No dia anterior, o Senado havia aprovado por esmagadora maioria (84-15) sua nomeação. "Parabéns, senhora secretária! Obrigado, senhora vice-presidente!", disseram uma à outra, sorrindo, as duas funcionárias. Yellen já tinha feito história quando se tornou a primeira mulher presidente do Federal Reserve (Fed), o banco central mais poderoso do mundo, em 2014. Antes disso, ela foi a primeira mulher a chefiar o Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca, de 1997 a 1999. Ao assumir o comando do Tesouro, Yellen se coloca no centro da atual tempestade econômica dos Estados Unidos, que sofreu uma queda recorde no crescimento anual e dezenas de milhões de demissões ao mesmo tempo em que enfrenta o maior surto de coronavírus do mundo. Yellen estará à frente das negociações para ganhar o apoio do Congresso na aprovação do plano de resgate proposto por Biden, de US$ 1,9 trilhão, incluindo o aumento do salário mínimo federal para US$ 15 a hora. Em nota aos funcionários do Tesouro, ela elogiou seu esforço durante a crise financeira mundial de 2008 e disse que "ajudaram a salvar a economia de sua pior crise desde a Depressão". "Agora temos que fazê-lo de novo", disse-lhes Yellen. Embora a crise atual seja muito diferente da de 2008, "a escala é igualmente grande, se não maior", já que a pandemia causou uma "devastação total na economia", escreveu. Paixão pelo trabalho Para Yellen, que teve uma longa carreira em vários cargos no Fed, economia é um assunto de família: ela conheceu seu marido — o ganhador do Nobel e economista George Akerlof — na cafeteria do Fed, e seu filho também é professor de economia. Sua experiência acadêmica e de serviço público, a torna distinta de muitos ex-secretários do Tesouro, incluindo seu antecessor, Steven Mnuchin, que passou anos como banqueiro de investimentos e produtor de cinema. O conhecimento de Yellen sobre o mercado de trabalho em um momento em que a pandemia dobrou o desemprego, alcançando os 6,7%, junto ao respeito que os legisladores têm por seus esforços no Fed após a crise financeira global de 2008-2010, são vistos como seu grande patrimônio. Próxima à elite econômica progressista, Yellen foi ainda mais longe do que Biden ao pedir um imposto sobre o carbono para combater as mudanças climáticas. "Precisamos de políticas públicas orientadas a fazer uma grande diferença nas mudanças climáticas", declarou recentemente. Embates com Trump Como presidente do Fed entre 2014 e 2018, Yellen entrou em conflito com o presidente Donald Trump, que assumiu a presidência em 2017, por causa de discrepâncias sobre os níveis de taxas de juros, a tal ponto que o presidente acabou retirando-a do cargo e transformando-a em um dos únicos titulares do banco central americano a não permanecer no cargo para um segundo mandato. Yellen trabalhou durante anos com o atual presidente do Fed, Jerome Powell, cujo mandato termina em 2022. Filha de um médico judeu, Yellen, que ainda fala com seu sotaque nativo do Brooklyn, obteve um doutorado em economia pela Universidade de Yale. Ela desempenhou vários cargos no Fed, onde passou um terço de sua carreira, primeiro como pesquisadora econômica e depois em cargos mais altos. Yellen também foi conselheira econômica do ex-presidente Bill Clinton de 1997 a 1999, lecionou na Universidade da Califórnia, Berkeley, e chefiou o Banco da Reserva Federal de São Francisco. Em 2010, tornou-se vice-presidente do Fed ao lado de Ben Bernanke, supervisionando o grande plano de apoio monetário para ajudar a economia americana a emergir da crise financeira global de 2008. Quando o substituiu quatro anos depois, a revista Forbes a chamou de a segunda mulher mais poderosa do mundo, atrás da chanceler alemã Angela Merkel. Afável e de estatura mediana, com o rosto emoldurado por um capacete de cabelos brancos e seu distinto "pescoço levantado", Yellen nunca perdeu a compostura diante dos ataques dos legisladores republicanos. No início do mandato de Trump, ela não hesitou em alertar para os riscos que cortes de impostos como os propostos pelo presidente teriam sobre o déficit fiscal. Com o déficit dos Estados Unidos aumentando devido à pandemia, esse será um problema que terá de enfrentar novamente. Vídeos: Últimas notícias de Economia

Empresa reportou lucro líquido de R$ 298,2 milhões entre outubro e dezembro, aumento de 34,7% sobre um ano antes. Cielo Divulgação A Cielo teve aumento do lucro no quarto trimestre, com o foco no segmento mais lucrativo de pequenos clientes e uma política de redução de custos compensando os efeitos da queda de clientes e os prolongados efeitos da crise gerada pela Covid-19. A maior empresa de meios de pagamentos do país abriu nesta terça-feira (26) a temporada de balanços de empresas que fazem parte do Ibovespa reportando lucro líquido de R$ 298,2 milhões entre outubro e dezembro, aumento de 34,7% sobre um ano antes. Em termos consolidados, que consideram resultados de outros acionistas, o lucro foi de R$ 362,8 milhões, alta anual de 26,5%. Foi a primeira alta trimestral do lucro da companhia no comparativo anual em dois anos. O volume financeiro de pagamentos processados pela Cielo, de R$ 190,6 bilhões, foi apenas 0,3% superior ao de igual etapa de 2019, refletindo a crise provocada pela pandemia, e pelo foco em segmentos mais rentáveis, afirmou a companhia. Nesse contexto, a receita líquida da empresa somou de R$ 1,31 bilhão, redução de 1,5% ano a ano, "refletindo o cenário de forte competição, que vem pressionando preços e margens no segmento de varejo", diz trecho do relatório. Porém, a Cielo conseguiu reduzir em 13,5% seus gastos totais no comparativo anual, para R$ 1,077 bilhão. E a ênfase nos segmentos mais rentáveis compensou a queda de 10,8% na base ativa no ano, a 1,406 milhão de clientes, o que a empresa atribuiu à mudança na política de concessão de subsídios para terminais de captura na modalidade de venda, o que impactou principalmente as afiliações no segmento de empreendedores. Assim, o resultado operacional da Cielo medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) somou R$ 768,2 milhões, aumento de 16% sobre o quarto trimestre de um ano antes, com a margem Ebitda subindo 3,2 pontos percentuais, para 25,4%. A empresa fechou o ano com liquidez total de R$ 4,2 bilhões, ante R$ 3,2 bilhões um ano antes. Vídeos: Últimas notícias de Economia

A companhia reportou lucro líquido de US$ 15,4 bilhões, no período; a receita cresceu 16,7%, para US$ 43 bilhões Sede da Microsoft em Redmond, Washington Ted S. Warren/AP Photo/Arquivo A Microsoft reportou lucro líquido de US$ 15,4 bilhões no quarto trimestre de 2020, um avanço de 32% em relação ao mesmo intervalo de 2019. O lucro por ação ficou em US$ 2,05, ante US$ 1,53 do ano anterior. Já a receita cresceu 16,7% no comparativo anual, para US$ 43 bilhões. Os números vieram acima das previsões de mercado. De acordo com a agência de notícias “Dow Jones Newswires”, a expectativa era que o lucro atingisse US$ 12,6 bilhões e a receita US$ 40,2 bilhões. Um dos destaques apontados pela companhia foram os serviços em nuvem. A receita no segmento de nuvem inteligente atingiu US$ 14,6 bilhões no período, uma alta de 23% em relação ao mesmo intervalo de 2019, impulsionada pelo avanço de 50% da receita da Azure, plataforma com serviços de computação em nuvem. A Microsoft também registou US$ 11 bilhões em expansão operacionais, quantia usada para a continuação de investimentos em engenharia de nuvem e vendas comerciais. “Construir sua própria capacidade digital é a nova moeda que impulsiona a resiliência e o crescimento de todas as organizações. A Microsoft está impulsionando essa mudança com a maior e mais abrangente plataforma em nuvem do mundo”, disse Satya Nadella, diretor-presidente. A empresa também reportou um aumento da receita do LinkedIn em 23% no quarto trimestre, devido a uma forte demanda de publicidade em seus negócios de soluções de marketing. A companhia informou ainda que devolveu US$ 10 bilhões aos acionistas, sendo US$ 5,8 bilhões por meio da recompras de ações e US$ 4,2 bilhões em dividendos, um crescimento de 18% no comparativo anual. As ações da empresa fecharam hoje em alta de 1,22% na bolsa de Nasdaq, e, por volta das 20h20, avançavam 5,26% no pós-mercado. Windows 10 tem novas falhas que podem travar e corromper o armazenamento do sistema Microsoft revela que hackers da SolarWinds também acessaram códigos-fonte de seus produtos Veja vídeos de TECNOLOGIA no G1

A rede de cafeterias reportou lucro líquido de US$ 622,2 milhões, no período; a receita líquida somou US$ 6,75 bilhões, queda de 4,9%. Fachada da rede de cafeterias Starbucks na cidade de São Paulo Marcello Zambrana/AGIF/AGIF via AFP/Arquivo A rede de cafeterias Starbucks reportou lucro líquido de US$ 622,2 milhões no primeiro trimestre fiscal de 2021, o que representa queda de 29,7% ante o mesmo período de 2020. O lucro por ação foi de US$ 0,53, “refletindo melhoria substancial da margem” em relação ao trimestre anterior, segundo a companhia. A receita líquida somou US$ 6,75 bilhões, queda de 4,9%, “em razão do impacto da pandemia de Covid-19”, afirma a empresa. As despesas operacionais recuaram 0,5%, para US$ 5,92 bilhões, sendo que as despesas administrativas somaram US$ 472,1 milhões, alta de 8,7%. O diretor-presidente da Starbucks, Kevin Johnson, afirmou que foram reportadas “melhorias significativas e sequenciais” mesmo com o avanço da pandemia. O executivo afirma que a companhia está posicionada para um crescimento sustentável de longo prazo. A receita líquida no continente americano foi de US$ 4,7 bilhões ao fim do primeiro trimestre fiscal, queda de 6,1%. As vendas nas mesmas lojas (SSS, na sigla em inglês) recuaram 5% nos Estados Unidos, enquanto avançaram 5% na China. De acordo com a companhia, os números indicam “recuperação sustentada”. O tíquete médio aumentou 17%. Para o próximo trimestre, a companhia estima alta nas vendas mesmas lojas de 5% a 10% nos Estados Unidos, enquanto na China as projeções indicam “alta de quase 100%”. O lucro por ação deve ficar entre US$ 0,45 a US$ 0,50. Vídeos: Últimas notícias de Economia

O Nasdaq fechou em queda de 0,07%, a 13.626,06 pontos, interrompendo uma sequência de quatro sessões consecutivas nas quais renovou sua máxima histórica. Os índices acionários viraram para terreno negativo nos minutos finais da sessão e fecharam em queda nesta terça-feira (26), interrompendo a sequência de ganhos do Nasdaq, enquanto os investidores aguardam a divulgação de uma série de balanços importantes. O Nasdaq fechou em queda de 0,07%, a 13.626,06 pontos, interrompendo uma sequência de quatro sessões consecutivas nas quais renovou sua máxima histórica. O S&P 500, por sua vez, recuou 0,15%, a 3.849,62 pontos, e o Dow Jones caiu 0,07%, a 30.937,04 pontos. A semana marca o ápice da temporada de balanços do quarto trimestre de 2020, com mais de um quinto das empresas que compõem o S&P 500 divulgando os seus resultados. Placa de Wall Street perto da bolsa de Nova York REUTERS/Shannon Stapleton Destaques Após o fechamento das negociações em Nova York, a Microsoft reportou uma alta de mais de 30% nos lucros do quarto trimestre, a US$ 15,5 bilhões, superando com folga a expectativa de consenso, de US$ 12,6 bilhões, de acordo com levantamento da FactSet. Por volta das 19h05, a ação da gigante de tecnologia sobe 3,93% nas operações pós-mercados, depois de fechar em alta de 1,22%. A semana terá ainda a divulgação dos resultados de outras companhias importantes nos EUA, com a Tesla e as gigantes de tecnologia Apple e Facebook divulgando os seus números amanhã. Os balanços divulgados antes da abertura hoje também foram positivos: as ações da General Electric (+2,73%), Johnson & Johnson (+2,71%) e da Raytheon Technologies (+1,39%) fecharam todas em alta, com as companhias tendo reportado resultados trimestrais melhores do que o esperado. Destaque também para a disparada da ação da GameStop, que subiu 92,71% nesta terça, com investidores individuais comprando a ação em massa. A disparada segue uma sequência de fortes movimentos, com a ação acumulando uma alta atordoante de mais de 785% em 2021. Entre os dados, destaque positivo para a confiança do consumidor nos EUA, que aumentou em janeiro, de acordo com dados do Conference Board divulgados mais cedo. O índice de confiança do consumidor aumentou para 89,3 pontos em janeiro, de 87,1 revisados para baixo em dezembro. A leitura supera as estimativas dos economistas ouvidos pelo "Wall Street Journal" que esperavam que o sentimento do consumidor caísse ligeiramente para 88,0. Os investidores aguardam, agora, a conclusão da primeira reunião de política monetária do Federal Reserve no ano. "As alterações no comunicado da decisão provavelmente devem ser pequenas. O presidente [Jerome Powell] provavelmente permanecerá 'dovish' [favorável ao afrouxamento monetário] em relação às políticas, mesmo enquanto expressa algum otimismo sobre o crescimento", afirmam os estrategistas da TD Securities. Vídeos: Últimas notícias de economia

Estatal concluiu o ano com reservas provadas de óleo, condensado e gás natural de 8,816 bilhões de barris de óleo equivalente (boe). A Petrobras concluiu 2020 com reservas provadas de óleo, condensado e gás natural de 8,816 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), segundo critérios da SEC (US Securities and Exchange Commission), uma queda de cerca de 8% ante o ano anterior, informou a petroleira nesta terça-feira (26). Sede da Petrobras, localizada na Avenida Chile, no Centro do Rio de Janeiro André Motta de Souza / Agência Petrobras Em 2020, foram incorporadas novas reservas em função da aprovação de projetos e do bom desempenho dos reservatórios, com destaque para o pré-sal da Bacia de Santos, resultando em uma apropriação equivalente a 101% da produção do ano, afirmou a companhia. Esse efeito, no entanto, foi amortecido pelo impacto negativo derivado da redução de 32% do preço do petróleo no ano passado, que é projetado como preço futuro, conforme critérios da SEC. "Considerando o balanço entre a reposição positiva e o impacto negativo, e desconsiderando o efeito dos ativos vendidos em 2020, a reposição de reservas ficou em 29% da produção desse ano", disse a Petrobras em comunicado ao mercado. A companhia frisou que o impacto da venda de ativos, de 117 milhões de boe, não foi relevante no valor total das reservas. Vídeos: Últimas notícias de economia

Golpe oferece prêmio em nome de fabricante de celular em site clonado da Play Store. Em vídeo, pesquisador demonstra como aplicativo solicita permissões do usuário (esquerda) e a mensagem enviada como resposta pelo WhatsApp. Reprodução/Lukas Stefanko/YouTube Especialistas em segurança encontraram uma praga digital que tenta se espalhar pelo WhatsApp usando respostas automáticas contendo um link que direciona para um site com visual idêntico ao da Play Store para oferecer um aplicativo falso em nome da fabricante Huawei. A mensagem fraudulenta, que é enviada em inglês, diz que o usuário poderá ganhar um celular grátis caso instale o aplicativo sugerido. A oferta é totalmente falsa e lembra outras iscas que criminosos já usaram para disseminar apps falsos, como tênis, ingressos para eventos e tratamentos odontológicos. Porém, a carga maliciosa mais agressiva deste app – por tentar se espalhar através do WhatsApp – aparentemente impediu que ele fosse cadastrado na loja oficial do Android. Na prática, é muito mais difícil de instalar um app fora da loja e, dependendo das configurações do aparelho, o download será totalmente bloqueado. Por esse motivo, é improvável que o vírus esteja conseguindo se espalhar de forma efetiva. Para responder às mensagens recebidas pelo WhatsApp, o app malicioso também depende de permissões especiais, como o acesso às notificações e a autorização para se sobrepor a outros aplicativos. Embora também sejam utilizadas por aplicativos legítimos, essas permissões são perigosas. Quais permissões de aplicativos exigem cautela no Android? Depois de instalado, o aplicativo orienta o usuário a seguir os passos necessários para dar todas as permissões que ele precisa para funcionar. Se o usuário seguir os passos sugeridos, o app poderá funcionar o tempo todo em plano de fundo, respondendo os contatos conforme as mensagens chegam. De acordo com Lukas Stefanko, pesquisador especializado em ameaças para celulares da fabricante de antivírus Eset, é provável que o objetivo do app malicioso seja realizar fraudes com assinaturas. Dessa forma, a vítima pode ser cobrada por serviços que não contratou, gerando comissões para os responsáveis pela praga digital. Baixa sofisticação Apesar de ser notável pela tentativa de se espalhar usando o WhatsApp, a praga digital é bastante rudimentar em seu funcionamento. Ela não tenta apagar a mensagem maliciosa enviada, permitindo que a vítima perceba facilmente que há algo de errado com o smartphone. Isso se deve em grande parte ao fato de que o app malicioso não interage diretamente com o WhatsApp. Em vez disso, ele utiliza o recurso de "Responder" disponível na própria notificação. Sem uma "ponte" mais direta com o WhatsApp, o vírus não é capaz de remover mensagens para apagar os vestígios da sua atuação. Além disso, o app malicioso oferecido no link será o mesmo que a própria vítima instalou para ter seu aparelho contaminado. Dessa forma, fica mais fácil identificar o app que está causando problema e desinstalá-lo. O link malicioso é enviado apenas uma vez a cada hora para cada contato, mas isso ainda significa que a mensagem pode ser enviada várias vezes por dia. É muito improvável que a vítima não perceba o ataque e tome atitudes para interromper o envio da mensagem. Desinstalar o app falso ou restaurar o aparelho para as configurações de fábrica deve ser suficiente para eliminar a praga digital. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para [email protected] Veja 5 dicas para sua segurança digital: 5 dicas de segurança para sua vida digital Assista a mais vídeos para se manter seguro na internet:
Investidores se preocupam com aumento contínuo no número de casos de coronavírus no mundo. Os preços do petróleo fecharam nesta terça-feira (26) praticamente estáveis, com o aumento contínuo no número de casos de coronavírus no mundo afetando as perspectivas de demanda, mas relatos de uma explosão na Arábia Saudita limitando as perdas nos mercados da commodity. Casos de coronavírus no mundo passam de 100 milhões, diz levantamento da Johns Hopkins Mundo já tem mais de 100 milhões de casos de Covid-19 O petróleo Brent terminou a sessão em leve alta de 0,03 dólar, ou 0,05%, a US$ 55,91 por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou 0,16 dólar, ou 0,3%, a US$ 52,61 o barril. A Indonésia, quarto país mais populoso do mundo, superou nesta terça a marca de 1 milhão de casos confirmados de coronavírus, enquanto a contagem de mortes no Reino Unido ultrapassou o patamar de 100 mil, em momento em que o governo luta para acelerar as entregas de vacinas e conter a disseminação de variantes do vírus. Já nos EUA, o número de casos bateu a marca de 25 milhões no último domingo, segundo dados da Reuters. Em movimento que reduz ainda mais o sentimento altista no mercado, os membros do Partido Democrata norte-americano ainda tentam convencer parlamentares republicanos da necessidade de mais estímulos, levantando dúvidas sobre quando e de que forma um pacote será aprovado. "Altos números da Covid, dificuldades com as vacinas e incertezas em torno do plano de estímulos de Joe Biden --tudo isso está conspirando para pressionar os preços", disse Robert Yawger, diretor de futuros de energia do Mizuho. As cotações chegaram a avançar brevemente na sessão, após relatos de uma explosão em Riad, capital da Arábia Saudita, embora os motivos ainda não tenham sido esclarecidos. Vídeos: Últimas notícias de economia

Rede social vai disponibilizar interface gratuita para estudos que analisem tuítes e comportamentos na rede. Aplicativo do Twitter em um smartphone. Thomas White/Reuters O Twitter anunciou nesta terça-feira (26) que irá liberar gratuitamente todo o histórico de publicações para os pesquisadores acadêmicos interessados em estudar comportamentos e tendências do uso da rede social. A novidade permitirá que acadêmicos entendam, por exemplo, como a desinformação circula ou quais são as opiniões predominantes na rede. Até então, o acesso a todo o acervo de publicações era limitado nos serviços voltados para empresas. A ferramenta para pesquisadores também restringia o histórico aos últimos 7 dias e a coleta de mensagens a 500 mil por mês. O preço cobrado para aumentar esses limites era alto demais para o orçamento dos pesquisadores, segundo executivos do Twitter. O novo limite é de 10 milhões de mensagens. Outra novidade são filtros mais precisos para que os pesquisadores encontrem tuítes ou outros dados relevantes. O anúncio faz parte de mudanças que o Twitter preparou para a sua API (Interface de Programação de Aplicações, na sigla em inglês), um conjunto de funções e procedimentos que serve para mediar funções entre a rede social e outros softwares. "Nossa plataforma de desenvolvedores nem sempre facilitou o acesso dos pesquisadores aos dados de que necessitam, e muitos tiveram que confiar em seus próprios recursos para encontrar as informações corretas", escreveram os gerentes de produto do Twitter Adam Tornes e Leanne Trujillo em um comunicado. Os acadêmicos interessados podem pedir acesso às novas ferramentas na página de desenvolvedores do Twitter. Veja os vídeos mais assistidos do G1

Plataforma de relacionamento, popular entre o público gay, violou regras União Europeia, disseram autoridades da Noruega. App diz que alegações não refletem mais sua política ou práticas de privacidade atuais. Grindr é um aplicativo famoso entre o público gay Aly Song/Reuters O aplicativo de relacionamento Grindr, popular entre o público gay, recebeu multa de US$ 11,7 milhões na Noruega. As autoridades do país disseram que a plataforma compartilhou informações pessoais com empresas de publicidade sem o consentimento de seus usuários, violando regras de privacidade da União Europeia. O departamento norueguês de supervisão de privacidade de dados disse na terça-feira (26) que notificou a empresa de sua decisão inicial de multar o app, informou a agência Associated Press. A pena estipulada é de 100 milhões coroas norueguesas (US$ 11,7 milhões), equivalente a 10% da receita global da empresa. A autoridade de proteção de dados se baseou em uma reclamação do Conselho de Consumidores da Noruega, segundo a qual dados pessoais foram supostamente compartilhados para fins comerciais. O Grindr, que tem sua sede atual nos Estados Unidos, disse à agência Reuters que as alegações são referente a 2018 e não refletem mais sua política ou práticas de privacidade atuais. O conselho norueguês afirmou em um relatório no ano passado como o Grindr e outros aplicativos de namoro vazaram informações pessoais para empresas de publicidade para uso em anúncios direcionados a setores específicos, em violação aos padrões europeus. "A autoridade de proteção de dados da Noruega considera este um caso sério", disse o diretor geral do órgão, Bjorn-Erik Thon. "Os usuários não conseguiam exercer controle real e eficaz sobre a maneira como compartilhavam seus dados". O aplicativo tem até 15 de fevereiro para responder a notificação das autoridades. App foi vendido por grupo chinês Em 2020, empresa chinesa Beijing Kunlun Tech vendeu o aplicativo Grindr por cerca de US$ 608,5 milhões para a San Vicente Acquisition. A transação ocorre após um painel do governo dos EUA estabelecer junho de 2020 como prazo para venda do aplicativo. Na época, a autoridade disse que havia preocupação com as informações de 27 milhões de usuários do app. Segundo a Reuters, em 2019 a Kunlun havia dado a alguns engenheiros de Pequim acesso a informações pessoais de milhões de norte-americanos, incluindo mensagens privadas e status de HIV. Veja vídeos de TECNOLOGIA no G1
Auditoria do TCU aponta que fornecimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) só poderia ser feito com aprovação da Anvisa ou de autoridades sanitárias internacionais, o que não ocorreu. TCU vê ilegalidade em uso de dinheiro do SUS com cloroquina O Tribunal de Contas da União (TCU) apontou ilegalidade no uso de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) para o fornecimento de cloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19 e deu cinco dias para o Ministério da Saúde apresentar explicações. Em despacho, o ministro Benjamin Zymler afirmou que o fornecimento do medicamento para tratamento não tem comprovação científica e que o remédio — utilizado no tratamento da malária — só poderia ser fornecido pelo SUS para uso contra a Covid-19 se houvesse autorização da Anvisa ou de autoridades sanitárias estrangeiras, o que não ocorreu. Procurado pelo G1, o Ministério da Saúde informou que responderá ao TCU no prazo determinado pelo tribunal. “Desta feita, como não houve manifestação da Anvisa acerca da possibilidade de se utilizar os medicamentos à base de cloroquina para tratamento da Covid-19 e tampouco dos órgãos internacionais [quatro autoridades sanitárias estrangeiras previstas em lei] antes mencionados, verifica-se não haver amparo legal para a utilização de recursos do SUS para o fornecimento desses medicamentos com essa finalidade”, afirmou o ministro. No despacho, o TCU questiona ainda a mudança de posicionamento do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre o uso da cloroquina no combate à pandemia da Covid-19. Pazuello muda o discurso e diz que ministério nunca recomendou 'tratamento precoce' para Covid O documento cita notas informativas do Ministério da Saúde em que é indicado o uso dos medicamentos difosfato de cloroquina, sulfato de hidroxicloroquina e azitromicina em pacientes diagnosticados com Covid-19 e menciona que recentemente “o titular da Pasta da Saúde vem se pronunciando no sentido de que o órgão não indica qualquer medicação para ser utilizada no combate à Covid-19 e sim que as pessoas procurem os serviços de saúde de forma imediata”. No despacho, o ministro dá cinco dias para que o Ministério da Saúde informe qual é a posição oficial sobre o uso da cloroquina e pede que encaminhe as medidas adotadas para demonstrar "coerência" na orientação da pasta. Um dia depois que a Anvisa aprovou o uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19, o ministro Pazuello afirmou que o ministério nunca orientou o “tratamento precoce” da Covid-19 e sim, o “atendimento precoce”. Em maio, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a assinatura por Pazuello de um protocolo sobre o uso, desde o aparecimento dos primeiros sintomas, de hidroxicloroquina, remédio sem comprovação científica de eficácia contra a Covid. Em setembro, durante a posse de Pazuello como ministro da Saúde, após três meses e meio como interino, o presidente se referiu a si mesmo como "doutor Bolsonaro" e fez propaganda da hidroxicloroquina exibindo uma caixa do medicamento à plateia. Em 21 de maio, com Pazuello à frente da pasta ainda como ministro interino, o Ministério da Saúde divulgou uma nova versão de um documento técnico no qual recomendava que médicos receitassem cloroquina e a hidroxicloroquina mesmo em casos leves de Covid-19. Em outubro, estudo liderado pela Organização Mundial de Saúde em mais de 30 países apontou a ineficácia do uso da hidroxicloroquina e outras três substâncias no tratamento da Covid-19. Brasil já gastou mais de R$ 1 milhão com cloroquina durante a pandemia de Covid-19 Aplicativo O TCU também pediu explicações sobre o aplicativo TrateCOV. O tribunal quer saber a unidade e o titular responsável pelo aplicativo, a descrição do funcionamento e se será mantido em funcionamento. O aplicativo foi retirado do ar na quinta-feira (21). O sistema recomendava o "tratamento precoce" a pacientes com sintomas que podem ou não ser da Covid-19. O "tratamento" indicado incluía medicamentos que, segundo demonstraram diferentes estudos, não funcionam contra a doença, como a cloroquina, a hidroxicloroquina e a azitromicina. VÍDEOS: veja as últimas notícias de política

Decisão é parte de um compromisso firmado pela empresa com o Ministério Público do Paraná, após uma investigação apontar que defensivos foram comercializados pela plataforma, o que é proibido por lei. Operação interceptou 55 vendas de agrotóxicos ilegais pela internet MP-PR/Divulgação O Mercado Livre, um dos maiores sites de comércio eletrônico do país, não irá mais anunciar ou comercializar agrotóxicos em sua plataforma. A decisão é parte de um compromisso firmado pela empresa na segunda-feira (25) com o Ministério Público do Paraná (MPPR), após uma investigação da Operação Webcida, deflagrada em 2018, ter apontado que a plataforma foi utilizada para a venda de defensivos, o que é proibido por lei. Número de agrotóxicos registrados em 2020 é o mais alto da série histórica Por que a produção de alimentos depende tanto de agrotóxicos? Pelo acordo, a empresa se compromete a adotar, no prazo máximo de dois meses, medidas para identificar e remover de seu site qualquer forma de anúncio, exposição à venda ou comercialização de agrotóxicos. Isso inclui os produtos que tenham descrição ou imagens que os caracterizem como agrotóxico, defensivo agrícola, pesticida, produto fitossanitário, inseticida, herbicida, fungicida, veneno, raticida, mata mato, mata tiririca, entre outros. O Mercado Livre deverá ainda aprimorar os termos e condições gerais de uso do site, deixando clara a proibição da compra e venda de defensivos por meio da plataforma. Operação Webcida Outras três grandes empresas de e-commerce já firmaram compromisso semelhante com o MPPR, após investigações da Operação Webcida. A ação teve como foco impedir a exposição à venda, na internet, de agrotóxicos de uso agrícola a qualquer consumidor e a comercialização desses produtos sem receita. Initial plugin text

Fortes balanços do UBS e da fabricante de peças automotivas Autoliv se somaram a uma série de dados corporativos positivos. Ações europeias valorizaram-se nesta terça-feira (26). AFP via BBC As ações europeias valorizaram-se nesta terça-feira (26), com os fortes balanços do UBS e da fabricante de peças automotivas Autoliv somando-se a uma série de dados corporativos positivos, enquanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou sua projeção de crescimento global em 2021. O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta de 0,63%, com um rali das montadoras, empresas industriais e da SAP e ajudando o índice alemão a ter um desempenho superior. Os papéis do UBS valorizaram-se 2,4%, já que os altos níveis de atividade de clientes ajudaram a maior gestora de riquezas do mundo a registrar alta de 137% no lucro líquido. O índice mais amplo de serviços financeiros valorizou-se 1,8%, com o grupo de aquisições sueco EQT subindo 14,6% depois de assinar um acordo para comprar a gestora global de investimentos imobiliário Exeter Property Group por US$ 1,87 bilhão. O índice STOXX 600 recuou para uma mínima de duas semanas na segunda-feira depois que dados apontaram um quadro sombrio para a economia europeia em janeiro, enquanto muitos países endurecem as medidas para combater novas variantes do coronavírus. "Os números que estão saindo mostram que a atividade econômica na Europa está recuando e apresentando desempenho inferior em relação a outras partes do mundo", disse David Miller, diretor de investimentos da Quilter Cheviot. Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,23%, a 6.654 pontos. Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 1,66%, a 13.870 pontos. Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,94%, a 5.523 pontos. Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,15%, a 21.987 pontos. Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,86%, a 7.964 pontos. Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,49%, a 4.888 pontos. Vídeos: Últimas notícias de Economia
Comunidades rurais de Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira viram fonte de renda desaparecer na região que é conhecida pelo plantio de hortaliças. Rompimento da barragem de Brumadinho completa dois anos Dois anos depois, a área atingida pelo rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG), parece um imenso canteiro de obras. Dez milhões de metros cúbicos de rejeito de minério desceram destruindo sítios, matas e vidas. 259 vítimas foram encontradas soterradas no local. E, ainda hoje, os bombeiros buscam 11 desaparecidos. WEBSTORIES: 5 pontos para entender a tragédia de Brumadinho As comunidades rurais de Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira foram as mais atingidas. Na região, conhecida pelo plantio de hortaliças, os agricultores viram a fonte de renda desaparecer. Confira as histórias desses agricultores na reportagem completa no vídeo acima. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural

OCDE começou a discutir em 2020 revisão de regras internacionais de tributação de empresas transnacionais como Google, Apple e Facebook. Angela Merkel, chanceler da Alemanha, ajusta máscara após conferência em Berlim em novembro de 2020. Fabrizio Bensch/Pool/Reuters A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta terça-feira (26) que espera intensificar com o governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, os trabalhos para criação de um imposto mínimo sobre companhias que atuam na internet. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revelou em 2020 a primeira grande revisão em uma geração das regras internacionais de tributação de empresas transnacionais como Google, Apple e Facebook. "Espero que com o novo governo dos EUA possamos continuar e intensificar o trabalho da OCDE sobre a taxação de companhias digitais", afirmou Merkel durante encontro online do Fórum Econômico Mundial. Em julho de 2019, o parlamento da França aprovou um imposto de 3% sobre o volume de negócios dos gigantes digitais, fazendo do país um pioneira na tributação de grandes grupos digitais. O Ministério da Economia da França aprovou em novembro passado a cobrança do tributo. A medida aconteceu mesmo com a possibilidade de sanções dos EUA. Washington, ainda sob o governo de Donald Trump, considerava esse imposto discriminatório contra as empresas americanas, e ameaçou aplicação de taxas alfandegárias de 100% sobre certos produtos franceses, como queijo, ou produtos de beleza. Investigações nos EUA As grandes empresas de tecnologia estão sob investigação nos EUA por supostos abusos de poder. Em outubro passado, uma Comissão do Congresso americano apontou práticas anticompetitivas de Apple, Amazon, Facebook e Google. Um relatório dizia que as grandes empresas de tecnologia "se tornaram os tipos de monopólios vistos pela última vez na era dos barões do petróleo e magnatas das ferrovias". As companhias negam que prejudiquem competição no setor. Até agora, Google e Facebook foram processados por monopólio nos EUA. A gigante das buscas foi alvo de três ações judiciais diferentes, enquanto a rede social de Mark Zuckerberg foi acusada de manter seu domínio nas redes sociais usando conduta anticompetitiva. Veja os vídeos mais assistidos do G1
Considerando microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte, a inadimplência registrada no terceiro trimestre de 2020 foi de 3,3%. A inadimplência dos pequenos negócios em operações de crédito atingiu o nível mais baixo em 2020, comparando com resultados de uma série iniciada em 2012, segundo estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Alternativas ao crédito: especialistas dão dicas Veja vídeos com dicas para ter sucesso nos negócios Considerando microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte, a inadimplência registrada no terceiro trimestre de 2020 foi de 3,3%. O levantamento, realizado com base em dados do Banco Central, mostra que o nível mais baixo de inadimplência (2,8%) foi registrado entre as empresas de pequeno porte e o mais elevado (5,6%) entre MEIs. As microempresas registraram 5,1%. Um dos motivos para esse resultado foi a implementação dos programas que possibilitaram um maior acesso dos empreendedores ao crédito, como Fampe e Pronampe, responsáveis por quase R$ 40 bilhões em empréstimos, de acordo com o Sebrae. “Foi um oxigênio imprescindível para que os empreendedores tivessem fôlego para suportar o momento mais difícil de queda no nível de faturamento”, afirma Carlos Melles, presidente do Sebrae. Levantamentos da instituição, realizados desde o início da pandemia, mostram que a perda média de faturamento dos pequenos negócios chegou, no momento mais crítico, a 70%. Com a retomada das atividades, houve uma redução nesse nível de perda, chegando a 39% em novembro. Mas o momento ainda é de incerteza para os empresários, que podem ser afetados pelo fim das medidas emergenciais, que permitiram a suspensão de contratos de trabalho e a redução de salários e jornadas, e que estavam em vigor desde abril. “A carência de grande parte das operações de crédito do Pronampe chega ao fim nesse primeiro trimestre, e os pequenos negócios começarão a pagar os empréstimos contratados em 2020. Somente a partir daí poderemos avaliar melhor o comportamento da inadimplência em 2021. É importante pensarmos na continuidade dessas políticas de proteção. Até porque, como já vimos acontecer em 2020, os pequenos negócios são os maiores responsáveis pela geração de emprego e recuperação da economia”, afirma Giovanni Beviláqua, analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae. Conheça empreendedores que estão superando a crise

Com o reajuste, o diesel passará a ser vendido às distribuidoras de combustíveis pela petroleira pelo preço médio de R$ 2,12 por litro e a gasolina de R$ 2,08 por litro. Sede da Petrobras, localizada na Avenida Chile, no Centro do Rio de Janeiro, passará pela sua primeira reforma completa desde que foi inaugurado, no começo dos anos 1970 André Motta de Souza / Agência Petrobras A Petrobras elevará o preço médio do diesel nas refinarias em 4,4%, na primeira alta do combustível fóssil em quase um mês, enquanto a gasolina terá avanço de 5%. A decisão desta terça-feira (26) acontece após alta das cotações internacionais do petróleo nas últimas semanas. Com o reajuste, o diesel passará a ser vendido às distribuidoras de combustíveis pela petroleira pelo preço médio de R$ 2,12 por litro e a gasolina de R$ 2,08 por litro. O diesel não sofria um reajuste desde 29 de dezembro, quando foi elevado em 4%, apesar dos avanços do petróleo no mercado externo. Nesse período, o petróleo Brent, referência internacional, acumulou alta de mais de 9%. Já a gasolina havia sofrido um aumento anterior, de quase 8%, em 19 de janeiro. Em dia de baixa liquidez, dólar comercial fecha em alta de 0,60% Apesar do reajuste, a Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom) afirmou que a companhia ainda está praticando preços muito inferiores ao mercado internacional, impedindo que companhias independentes realizem compras externas para abastecer o mercado. "Os aumentos anunciados hoje pela Petrobras, para vigorar amanhã (27/1), ficaram muito aquém dos necessários para alinhamento aos preços internacionais como comprometido em TCC assinado com o Cade", disse o presidente da Abicom, Sérgio Araujo. "Continuamos aguardando respostas da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) ao pedido que fizemos por ofício para avaliação da conduta do agente dominante." Petróleo fica mais caro e aumenta preços da gasolina e gás de cozinha A Abicom protocolou no início do ano ofício no Cade no qual acusou a estatal de práticas de valores de combustíveis "predatórias". A Petrobras reiterou em nota que seus preços têm como referência a chamada paridade de importação, impactada por fatores como os valores do petróleo e o câmbio, de acordo com comunicado enviado pela assessoria de imprensa. O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel. A Petrobras disse ainda que, segundo dados do Global Petrol Prices, em 18 de janeiro, o preço médio ao consumidor de gasolina no Brasil era o 56º mais baixo dentre 166 pesquisados, estando 17,8% abaixo da média de US$ 1,05 por litro. Já o preço médio de diesel ao consumidor no Brasil era o 42º mais baixo dentre 165 pesquisados, estando 26,7% abaixo da média de US$ 0,95 por litro. VÍDEOS: Últimas notícias de Economia
No ano passado, R$ 26,7 bilhões em títulos públicos foram resgatados, valor 13,6% que em 2019, e retirada de papeis do mercado superou as emissões em R$ 2,09 bilhões. A venda de títulos públicos por meio do Tesouro Direto registrou uma queda de 20,3% no ano passado, para R$ 24,614 bilhões, informou nesta terça-feira (26) o governo federal. Em um ano marcado pela pandemia do novo coronavírus, os resgates de títulos somaram R$ 26,704 bilhões, com queda de 13,6% frente ao ano de 2019. Desse total, R$ 24,258 bilhões correspondem a resgates antecipados e, outros R$ 2,445 bilhões, ao vencimento do papel. Com isso, os resgates superaram as emissões de títulos públicos em R$ 2,09 bilhões no ano de 2020. O Tesouro Direto foi criado em janeiro de 2002 e permite a pessoas físicas a compra de títulos públicos pela internet, por meio de bancos e corretoras. Investidores cadastrados De acordo com o Tesouro Nacional, 3,574 milhões de novos investidores se cadastraram no programa em todo ano passado. Com isso, o número total de pessoas cadastradas passou de 5,626 milhões, no fim de 2019, para 9,2 milhões no fechamento do ano passado - um aumento de 63,5%. Volume total de aplicações Mesmo com o resgate líquido de recursos do Tesouro Direto em 2020, o saldo total (estoque) de títulos em mercado avançou no período, alcançando R$ 62,7 bilhões no fim do ano passado, uma alta de 5,1% sobre dezembro de 2019 (R$ 59,645 bilhões). "No ano de 2020, o total de operações foi de 4,57 milhões, uma média de 381.329 mil operações por mês, uma queda de 17,02% em comparação a 2019", informou o Tesouro. Segundo a instituição, 67,23% de todas as operações de investimento no Programa envolveram valores de até R$ 1 mil no ano passado. "Esse resultado seguiu a tendência de aumento da participação de pequenos investidores", concluiu. VÍDEOS: assista a mais notícias sobre economia

Na semana passada, a estatal já havia reajustado o combustível em 7,6%, no primeiro reajuste do ano. O preço da gasolina da Petrobras vai subir pela segunda vez em menos de dez dias nas refinarias. Segundo a estatal, o reajuste será de 5%, para um preço médio de R$ 2,08 por litro, a partir de quarta-feira (27). Na semana passada, a estatal já havia reajustado o combustível em 7,6%, no primeiro reajuste do ano. Além da gasolina, também será reajustado o preço do diesel, em 4,4%, para R$ 2,12 o litro. Preços dos combustíveis nas refinarias Economia G1 A Petrobras reiterou que seus preços têm como referência a chamada paridade de importação, impactada por fatores como os valores do petróleo e o câmbio, de acordo com comunicado enviado pela assessoria de imprensa. O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel. "Importante ressaltar também que os preços da gasolina e do diesel vendidos na bomba dos postos revendedores é diferente do valor cobrado nas refinarias pela Petrobras. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis pelas distribuidoras, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos próprios postos revendedores de combustíveis", informa a estatal em nota. Assista as últimas notícias de economia

Manifestação em Nova Délhi foi reprimida pela polícia, e ao menos uma pessoa foi morta durante confronto. Agricultores protestam em Nova Délhi, Índia, contra novas leis impostas sobre o setor em foto de 26 de janeiro de 2021 Adnan Abidi/Reuters Milhares de agricultores protestaram nesta terça-feira (26) em Nova Délhi, Índia, contra as novas leis agrícolas do país que, segundo eles, ameaçam seus meios de subsistência. Pelo menos uma pessoa morreu depois de enfrentamentos com a polícia. Durante a manifestação, os agricultores chegaram a invadir o complexo histórico do Forte Vermelho e entraram em confronto com as forças de segurança, que usaram gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. O protesto acontece no mesmo dia do feriado da República na Índia. Os manifestantes acampados há mais de dois meses nos arredores de Délhi questionam as novas leis indianas que, segundo os produtores, só ajudam grandes compradores privados. A agricultura é responsável por empregar quase a metade da população do país que tem mais de 1,3 bilhão de pessoas. Protesto de agricultores em Nova Délhi, Índia, contra novas leis impostas sobre o setor em foto de 26 de janeiro de 2021 Adnan Abidi/Reuters O governo do primeiro-ministro Narendra Modi tem pedido aos produtores que parem de protestar contra as leis introduzidas em setembro, mas os agricultores afirmam que não vão ceder em suas demandas. Há duas semanas, a Suprema Corte da Índia determinou a suspensão da implementação das novas leis agrícolas por prazo indeterminado e nomeou um painel com quatro membros para escutar os pedidos dos agricultores. Polícia indiana reprime protesto de agricultores em Nova Délhi em 26 de janeiro de 2021 Reuters/Stringer Negociações O governo da Índia tenta novas negociações com os líderes dos protestos. O ministro da Agricultura e Bem-Estar dos Produtores, Narendra Singh Tomar, disse que o governo deve negociar com os agricultores com uma mente aberta. Até o momento, rodadas anteriores de conversas fracassaram em apaziguar os ânimos dos agricultores acampados. Os protestos representam um dos maiores desafios para o primeiro-ministro Narendra Modi desde que ele assumiu o poder em 2014, e as nove rodadas de negociações com sindicatos de agricultores não conseguiram terminar com um acordo. VÍDEOS mais vistos do G1
Ministro da Economia defendeu que servidores públicos continuem sem reajuste e que não haja aumento automático de verbas para educação e segurança pública. VÍDEO: 'classe política tem de assumir a responsabilidade pelos orçamentos', diz Guedes O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) em conferência para investidores promovida pelo banco Credit Suisse que a estratégia da área econômica é levar adiante a vacinação em massa da população brasileira e aguardar a queda da taxa de mortalidade da Covid-19 e o retorno de um nível mais forte da atividade econômica, de modo que não seja preciso renovar o auxílio emergencial. Segundo ele, porém, se a vacinação atrasar e a pandemia se agravar, e isso levar à necessidade de renovar o auxílio emergencial, os demais gastos do governo têm de ser contidos. "Não pode ficar gritando guerra toda hora. Tem de ter muito cuidado", disse Guedes, referindo-se ao chamado "orçamento de guerra", aprovado pelo Congresso no ano passado e que permitiu ao governo o investimento bilionário em ações de combate à pandemia, entre as quais o pagamento do auxílio emergencial a trabalhadores informais. "Quer criar o auxilio emergencial de novo? Tem de ter muito cuidado. Pensa bastante, pois, se fizer isso, não pode ter aumento automático de verbas para educação, para segurança pública, pois a prioridade passou a ser absoluta, é uma guerra. Aqui é a mesma coisa, se apertar o botão ali, vai ter de travar o resto todo [do orçamento]. Então vamos observar a economia, a saúde — os dois andam juntos — e esperar pelo melhor", completou. Partidos de oposição e mesmo aliados do governo têm defendido uma nova rodada do auxílio emergencial. O presidente Jair Bolsonaro, entretanto, tem dito que não será possível o pagamento do benefício em 2021 devido à disparada do endividamento público no ano passado. Quase 68 milhões de brasileiros são impactados pelo fim do auxílio emergencial Sem reajuste Entre as medidas para cortar gastos em caso de renovação do auxílio, Guedes defendeu que servidores públicos continuem sem reajuste e que não haja aumento automático de verbas para educação e segurança pública. "A classe política tem de assumir a responsabilidade pelos orçamentos. Se ela apertar o botão vermelho, de emergência, não é só pegar o dinheiro e sair correndo. Tem de fazer todo o protocolo de sacrifício por anos. Se você está em guerra, não tem distribuição de medalha antes de a guerra acabar, ou seja, não pode ter aumento de salário enquanto não passar um, dois anos depois da guerra. Tem de pagar o custo da guerra, não pode empurrar isso para as futuras gerações", disse. Ainda comparando a pandemia com um cenário de guerra, ele afirmou que liberar uma nova rodada de auxílio emergencial, com alto impacto nos gastos públicos, seria igual a disparar uma "bomba atômica". "Tem o botão vermelho. Se apertar, prepara, destruiu o outro lado, mas vai ter desastre ambiental para tudo quanto é lado, pois o outro lado também dispara. Vai ser o caos", disse. Para levar adiante esse plano, porém, Guedes afirmou que é preciso incluir na PEC do pacto federativo, que ainda não foi votada, uma "cláusula de calamidade pública". "É um caso agudo de emergência fiscal. Desindexa, desvincula, trava sua despesa lá, e em um ano ou dois, o aumento natural da receita resolve a situação", disse. BC defende contrapartidas No fim do dia, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou no mesmo evento do qual Guedes participou pela manhã que fazer mais programas de estímulo fiscal como o auxílio emergencial, sem uma contrapartida de redução de gastos, pode levar a uma retração econômica. Segundo Campos Neto, o gasto fiscal do governo sem contrapartida pode aumentar a avaliação de risco de país e ter um efeito contrário ao esperado quando se faz um estímulo fiscal, que é expansão econômica e mais dinheiro circulando. “Fazer novos gastos fiscais sem uma clara contrapartida não vai ter efeito expansionista nem que eu queira, porque eu não controlo o risco fiscal, que é como os agentes precificam o risco de um país”, disse. “Por um lado, eu tenho o efeito do dinheiro circulando na economia, só que, se do outro lado eu tiver um efeito da parte de prêmio de risco que seja um efeito contrário e em magnitude maior, eu posso fazer um esforço fiscal e ter um efeito contracionista na economia”. Na apresentação, Campos Neto defendeu a agenda de reformas como uma forma de fazer medidas fiscais de forma permanente. “A agenda de reformas não salva nem gera estímulo, mas um país com uma agenda de reformas robustas faz com que um gasto fiscal mais elevado seja mais sustentável porque eu sei que tem um gasto na frente, mas estou fazendo aqui reformas que vão me levar a um equilíbrio lá na frente”, declarou. VÍDEOS: notícias de economia

Estatal vai contratar uma consultoria externa especializada em recrutamento e seleção de altos executivos para assessorar o conselho de administração no processo de seleção e eleição do novo presidente, depois da renúncia de Wilson Ferreira Junior no domingo (24). Wilson Ferreira Jr. Ueslei Marcelino/Reuters A Eletrobras informou que vai contratar uma consultoria externa especializada em recrutamento e seleção de altos executivos para assessorar o conselho de administração no processo de seleção e eleição do novo presidente, depois da renúncia de Wilson Ferreira Junior no domingo (24). A companhia informou ainda que Wilson Junior continua ocupando uma das cadeiras do conselho de administração. A renúncia reforçou a ideia no mercado de que a privatização está fora do radar do governo, pelo menos no curto prazo. Wilson Ferreira Junior alegou que sua saída da empresa foi motivada pela "quebra de perspectiva" de privatização da empresa. Na segunda-feira (25), ele foi anunciado como futuro presidente da BR Distribuidora. Nesta terça-feira, as ações da Eletrobras caíam ao redor de 10% na Bovespa, com o mercado repercutindo a saída de Ferreira Junior. "A privatização carece de capital político. Tivemos a pandemia, que deslocou os planos para o segundo semestre do ano passado, e agora tivemos manifestação de candidatos [na eleição legislativa] de que esse processo não seria prioritário", disse o executivo em entrevista coletiva na segunda-feira. "O que falta fazer é aumentar a capacidade de investimento, se não consigo ver perspectiva de prioridade para esse processo, minha contribuição fica perdida", afirmou. O executivo não mencionou nomes, mas a declaração a que fez referência foi de Rodrigo Pacheco (DEM-MG), candidato à presidência do Senado. O parlamentar disse ao jornal O Estado de S. Paulo que a privatização da empresa não estava garantida e deveria ser feita sem se subter a "entreguismo sem critério". "Não estou aqui para questionar. Posso dizer que é uma prioridade do Ministério de Minas e Energia e Ministério da Economia, necessário para fazer frente aos desafios fiscais que o país tem. É uma condição necessária, mas, aparentemente, não suficiente", disse Ferreira Junior. Para ele, a discussão sobre privatizações amadureceu pouco no país e sofre resistência da opinião pública. Assim, novos atrasos no cronograma inviabilizariam a conclusão do processo no curto prazo pela proximidade com as eleições de 2022. Ferreira Junior pode ter que cumprir quarentena antes de assumir a BR Distribuidora. A partir de 1º de fevereiro, e até que ele possa assumir o posto, a companhia será liderada interinamente pelo diretor executivo de operações e logística, Marcelo Bragança, que será apoiado por um comitê de transição. Privatização a passos lentos A saída do executivo, que antes da Eletrobras presidiu por 18 anos a CPFL Energia, vem após poucos avanços na desestatização – Ferreira Jr. é grande defensor da privatização da empresa. No cargo desde julho de 2016, ele foi nomeado pelo ex-presidente Michel Temer. Depois, foi convidado pelo governo de Jair Bolsonaro para continuar no comando da estatal, sob expectativas de que liderasse a continuidade de planos para a privatização da companhia. Em dezembro, o governo anunciou que pretende realizar nove privatizações em 2021, entre as quais a da Eletrobras. A venda da estatal, porém, é um dos grandes desafios do governo Bolsonaro. A expectativa da pasta era que o projeto fosse aprovado ainda no primeiro semestre. Mas, na semana passada, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que não haverá prejuízo se a votação pelo Congresso Nacional da privatização da companhia ficar para o segundo semestre deste ano. O governo prevê levantar cerca de R$ 16 bilhões com a privatização da Eletrobras, por meio de uma capitalização da companhia por meio da emissão de novas ações e envolve pagamento de outorgas à União. O governo anterior, de Michel Temer, falava em promover uma desestatização da Eletrobras, por meio de uma operação em que a empresa emitiria novas ações e diluiria a fatia governamental na companhia para uma posição minoritária. A gestão Bolsonaro passou a adotar o termo "capitalização" para se referir ao processo. A equipe do ministro Paulo Guedes teve grande dificuldade para avançar em 2020 com o programa federal de privatizações. Em dois anos de governo, nenhuma estatal de controle direto da União foi vendida e muitos dos leilões de concessão ou de parceria com a iniciativa privada previstos para o ano foram adiados ou cancelados. Em novembro, Guedes admitiu estar "bastante frustrado" por ainda não ter conseguido vender uma estatal. Na ocasião, ele afirmou que "acordos políticos" no Congresso têm impedido as privatizações. A nova meta da equipe econômica é realizar 104 leilões em 2021, incluindo 9 privatizações, entre as quais Eletrobras e Correios, além de 25 projetos de estados e prefeituras. Se os projetos saíram do papel, a expectativa é que resultem em mais de R$ 371 bilhões em investimentos ao longo dos anos de contrato. Assista a mais notícias de Economia:

Nesta terça-feira (26), o principal índice da bolsa caiu 0,78%, a 116.464 pontos. Ibovespa é o principal índice da B3, a bolsa brasileira Amanda Perobelli/Reuters ooo O principal índice da bolsa de valores brasileira, a B3, fechou em queda de 0,78%, aos 116.464 pontos, após passar a maior parte do dia em alta. As ações bancos estiveram entre as maiores pressões de baixa em meio a preocupações com o cenário brasileiro. O contraponto positivo nesta sessão veio da BR Distribuidora, com a perspectiva de que Wilson Ferreira Jr assumirá o comando da companhia, após renunciar ao cargo de presidente-executivo da Eletrobras. No mês e no ano, a Bovespa acumula queda de 2,15%. Veja mais cotações. Dólar fecha em forte queda em dia positivo para ativos de risco no mundo Cenário O dia é de cautela nos mercados. Por aqui, o O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou mais cedo que a evolução da pandemia, com o aumento do número de casos neste começo de ano, assim como o fim do auxílio emergencial, podem implicar um cenário doméstico "caracterizado por mais gradualismo ou até uma reversão temporária da retomada econômica". O Copom também afirmou que chegou a avaliar uma elevação na taxa básica de juros. Bolsonaro defende teto de gastos, regra que limita a expansão de gastos públicos Dados da Fundação Getulio Vargas apontaram pioras nas confianças do consumidor e da indústria da construção, indicando um início de ano caminhando para o pessimismo. Também mais cedo, o IBGE divulgou os primeiros dados sobre a inflação em 2021: a prévia do IPCA trouxe uma alta de 0,78% em janeiro, o maior resultado para o mês desde 2016. Nos Estados Unidos, a espera é pela reunião do Federal Reserve, o Banco Central local. Poucas mudanças são esperadas no comunicado de política monetária do banco central na quarta-feira, com o chair Jerome Powell devendo falar sobre a inflação na entrevista após a reunião. Variação do Ibovespa em 2021 G1 VÍDEOS: Últimas notícias de Economia

Para este ano e o próximo, fundo projeta altas de 5,5% e 4,2% na economia global; e de 3,5% e 2,6% no Brasil. O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou nesta terça-feira (26) suas estimativas para a economia mundial. Na atualização de seu relatório 'World Economic Outlook', o fundo estima que a economia global levou um tombo de 3,5% em 2020 - uma melhora em relação à projeção feita em outubro, que via uma queda de 4,4%. Houve uma nova melhora também nas estimativas para o Brasil: o FMI agora vê uma queda de 4,5% no PIB brasileiro do ano passado. Em outubro, a estimativa era de um tombo de 5,8% - já bem menos acentuado que a queda de 9,1% que a entidade projetava para o ano em junho. Os números oficiais serão divulgados em 3 de março pelo IBGE. "Apesar do alto e crescente custo humano da pandemia, a atividade econômica parece estar adaptando-se a atividades intensivas de contato moderadas com o passar do tempo. Finalmente, medidas adicionais anunciadas no final de 2020 - principalmente nos Estados Unidos e no Japão - são esperadas para fornecer mais apoio em 2021–22 à economia global", diz o fundo. Previsões do FMI para 2020 Economia G1 2021 e 2022 O fundo também revisou para cima suas projeções para o desempenho da economia global - e do Brasil - neste ano. No documento, o FMI afirma que, "ainda que as recentes aprovações de vacinas tenham aumentado as esperanças de uma reviravolta na pandemia ainda este ano, renovadas 'ondas' e novas variantes do vírus representam preocupações para as projeções". Desse modo, "em meio a uma incerteza excepcional", o fundo projeta um crescimento de 5,5% na economia global em 2021 - acima da taxa de 5,2% estimada em outubro. Para 2022, o crescimento esperado é de 4,2%. Para o Brasil, o FMI estima expansões de 3,6% e 2,6% neste ano e no próximo, respectivamente. Em outubro, as projeções apontavam para altas de 2,8% e 2,3%. Os Estados Unidos aparecem como destaque positivo nesta revisão: a estimativa de junho, de queda de 8%, foi substancialmente melhorada, para uma queda de 4,3%. Economias avançadas A estimativa do FMI é que a economia desse bloco tenha fechado 2020 com queda de 4,9%, inferior à projeção de tombo de 5,8% feita em outubro. Os Estados Unidos devem mostrar um desempenho superior ao da zona do euro, com queda de 3,4%, ante 7,2% no bloco europeu - onde a Espanha é destaque negativo, com tombo de 11,1% seguida pela queda de 10% na Itália. Já para este ano e o próximo, o fundo vê expansões de 5,5% e 4,2%. Economias em desenvolvimento Nos países emergentes e em desenvolvimento, o PIB de 2020 deve mostrar queda de 2,4% - bastante ajudado pelo resultado da China, onde a economia aponta para um crescimento de 2,3% (seguido por fortes altas de 11,5% e 6,8% em 2021 e 2022). Quedas mais acentuadas nos números de 2020 devem ser registradas no México (-8,5%), na Índia (-8%) e África do Sul (-7,5%). Já para 2021 e 2022, o FMI projeta expansões de 6,3% e 5% no PIB das economias emergentes e em desenvolvimento. FMI - Projeções para o PIB Economia G1 Assista as últimas notícias de economia
É a maior perda diária desde setembro, depois de tocar máxima de 13 anos na sessão anterior, em meio ao aperto das condições de liquidez e às tensões sino-americanas. O índice de blue-chips da China recuou nesta terça-feira (26), marcando a maior perda diária desde setembro depois de tocar máxima de 13 anos na sessão anterior, em meio ao aperto das condições de liquidez e às tensões sino-americanas. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 2,01%, maior queda no dia desde 9 de setembro. O índice de Xangai teve recuo de 1,51%, maior perda diária desde 22 de dezembro. O subíndice do setor financeiro do CSI300 recuou 1,71%, o setor de consumo teve queda de 1,11% e o de saúde caiu 3,04%. As empresas financeiras ficaram sob pressão diante do cenário de aperto das condições de liquidez. As taxas de curto prazo saltaram para níveis pré-Covid nesta terça-feira, com alguns investidores especulando que o banco central pode adotar um viés de aperto em sua política monetária. As relações entre China e Estados Unidos continuam a pesar sobre o sentimento. A China afirmou nesta terça-feira que realizará exercícios militares no Mar do Sul da China, poucos dias depois de Pequim ter se irritado com a entrada de um grupo de porta-aviões dos EUA na região. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,96%, a 28.546 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 2,55%, a 29.391 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 1,51%, a 3.569 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 2,01%, a 5.512 pontos. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 2,14%, a 3.140 pontos. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 1,80%, a 15.658 pontos. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,95%, a 2.945 pontos. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 permaneceu fechado. Assista a mais notícias de Economia:

Nesta terça-feira, a moeda norte-americana recuou 3,39%, a R$ 3,3258. Notas de dólar em casa de câmbio em Jacarta, na Indonésia. Hafidz Mubarak/Reuters O dólar fechou em forte queda nesta terça-feira (26), em dia positivo para ativos de risco no mundo, de defesa de regras fiscais no Brasil e maior possibilidade de antecipação da alta de juros. A moeda norte-americana recuou 3,39%, cotada a R$ 5,3258. Veja mais cotações. Na mínima desta terça, chegou a R$ 5,3133. No mês e no ano, a moeda norte-americana ainda acumula avanço de 2,67%. A Bovespa, por sua vez, fechou em queda de 0,78%. Segundo a agência Reuters, profissionais do mercado financeiro começaram a antecipar suas projeções de aumento de juros após a divulgação nesta terça da ata da última reunião de política monetária do BC, considerada por analistas ainda mais dura com a inflação do que o comunicado da semana passada. A impressão, comentou-se nas mesas de operações, é que o BC está "correndo atrás do mercado". Segundo analistas, um dos motivos para a pressão sobre o real nos últimos tempos é o juro em patamar muito baixo, que deixa a moeda mais vulnerável a operações de hedge ou de financiamento para apostas em outras divisas. Em evento promovido pelo banco Credit Suisse, Bolsonaro mudou o tom e defendeu a vacinação contra a Covid-19 como forma de fazer a economia brasileira voltar a funcionar, em comentários alinhados aos feitos pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Ambos defenderam a proposta feita por empresários brasileiros de comprar vacinas para imunizar seus funcionários e também doar parte ao Sistema Único de Saúde. Bolsonaro disse ainda que o governo manterá o compromisso com o teto de gastos e não irá transformar em permanentes medidas temporárias criadas para combater a pandemia de Covid-19. Guedes defende 'travar o resto todo' do orçamento caso auxílio emergencial seja renovado Bolsonaro defende teto de gastos, regra que limita a expansão de gastos públicos Para onde o dólar vai em 2021? Entenda os fatores que pesam no câmbio Risco fiscal: entenda o que é e saiba por que a situação das contas públicas preocupa No exterior, a espera é pela reunião do Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos. Poucas mudanças são esperadas no comunicado de política monetária do banco central na quarta-feira, com o chair Jerome Powell devendo falar sobre a inflação na entrevista após a reunião. Variação do dólar em 2021 Economia G1 VÍDEOS: Últimas notícias de Economia

Este foi o maior resultado para um mês de janeiro desde 2016. Índice desacelerou na passagem de dezembro para janeiro pressionado pela energia elétrica, que teve bandeira tarifária reduzida, mas alimentos seguem pressionando a inflação no país. Redução da bandeira tarifária das contas de energia elétrica ajudou a desacelerar o indicador prévio da inflação na passagem de dezembro para janeiro, segundo o IBGE Marcos Santos / USP Imagens O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,78% em janeiro, conforme divulgado nesta terça-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este foi o maior resultado para um mês de janeiro desde 2016, quando o índice ficou em 0,92%. Em 12 meses, o IPCA-15 acumula alta de 4,30%, acima dos 4,23% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. IPCA: inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, maior alta desde 2016 Analistas do mercado sobem estimativa de inflação para 3,50% em 2021 Em dezembro de 2020, o IPCA-15 ficou em 1,06%. A desaceleração do indicador, segundo o IBGE, foi pressionada pela energia elétrica, já que houve redução das contas de luz devido à mudança da bandeira tarifária. Todavia, os preços dos alimentos seguem pressionando a inflação no país. IPCA-15, prévia da inflação oficial (variação mensal) Economia/G1 Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, oito apresentaram alta em janeiro. Apenas comunicação apresentou deflação no mês. Veja o resultado para cada um dos grupos: Alimentação e bebidas: 1,53% Habitação: 1,44% Artigos de residência: 0,81% Vestuário: 0,85% Transportes: 0,14% Saúde e cuidados pessoais: 0,66% Despesas pessoais: 0,40% Educação: 0,11% Comunicação: -0,01% Para seis grupos, o índice desacelerou na passagem de dezembro para janeiro. Houve aceleração do indicador apenas para Vestuário, Saúde e cuidados pessoais e Despesas pessoais. Alimentação segue pressionando a inflação De acordo com o IBGE, o maior impacto no IPCA-15 de janeiro partiu do grupo de Alimentação e bebidas, embora a alta nos preços deste grupo tenha desacelerado de 2% em dezembro para 1,53% em janeiro. A desaceleração dos preços da alimentação ocorreu principalmente por conta dos alimentos para consumo no domicílio, que passaram de 2,57% em dezembro para 1,73% em janeiro. Óleo de soja tem maior subida de preço em 2020; veja as maiores altas e baixas As carnes (1,18%), o arroz (2,00%) e a batata-inglesa (12,34%) apresentaram altas menos intensas na comparação com o mês anterior, quando variaram 5,53%, 4,96% e 17,96%, respectivamente. Já as frutas subiram 5,68%, frente à alta de 3,62% no mês anterior, e contribuíram com o maior impacto (0,06 p.p.) entre os itens pesquisados. No lado das quedas, o destaque foi o recuo nos preços do tomate (-4,14%). Já os alimentos para consumo fora do domicílio seguiram movimento inverso e aceleraram de 0,58% em dezembro para 1,02% em janeiro. Enquanto a refeição (0,81%) apresentou variação próxima à do mês anterior (0,86%), o lanche passou de um recuo de 0,11% para alta de 1,45%, "contribuindo decisivamente para o resultado observado em janeiro", enfatizou o IBGE. Energia elétrica tem o maior impacto individual no mês Depois de Alimentação e bebidas, o segundo maior impacto no índice do mês partiu do grupo Habitação, que teve alta de 1,44% no mês, levemente abaixo do registrado em dezembro (1,50%). O principal impacto na alta da Habitação partiu da energia elétrica que, segundo o IBGE, foi o item com o maior impacto individual no mês (0,14 p.p.), ajudando a desacelerar a inflação na passagem de dezembro para janeiro. A energia elétrica passou de uma alta de 4,08% em dezembro para 3,14% em janeiro. Isso porque passou a vigorar a bandeira tarifária amarela, em que há acréscimo de R$1,34 na conta de luz a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos - em dezembro estava em vigor a bandeira tarifária vermelha patamar 2, cujo acréscimo é de R$ 6,24 para cada 100 kWh consumidos. Ainda no grupo Habitação, o segundo maior impacto veio do gás de botijão, que teve alta de 2,42%, foi o oitavo mês consecutivo com alta de preços para o produto. Alta dos transportes desacelera de 1,43% para 0,14% O IBGE destacou que o grupo de Transportes, que é o segundo de maior peso no IPCA-15, apresentou forte de desaceleração - passou de 1,43% em dezembro para 0,14% em janeiro. "Isso ocorreu tanto pela queda nos preços das passagens aéreas quanto pela alta menos intensa da gasolina, que passou de 2,19% em dezembro para 0,95%", destacou o IBGE. As passagens aéreas registraram deflação de 20,49% em janeiro. Segundo o IBGE, essa queda também ajuda a explicar a desaceleração do IPCA-15 na passagem de dezembro para janeiro, somada à redução da energia elétrica. Alta em todas as regiões Todas as 11 regiões pesquisadas pelo IBGE registraram alta do IPCA-15 em janeiro, sendo que em apenas quatro delas o resultado tenha ficado abaixo da média nacional. O maior índice foi observado na região metropolitana do Recife, enquanto Brasília teve o menor resultado. Veja a prévia da inflação para cada uma das regiões pesquisadas pelo IBGE: Recife: 1,45% Porto Alegre: 1,11% Fortaleza: 0,97% Belo Horizonte: 0,97% Rio de Janeiro: 0,95% Goiânia: 0,89% Belém: 0,78% Brasil: 0,78% São Paulo: 0,63% Curitiba: 0,62% Salvador: 0,38% Brasília: 0,33% Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE coletou os preços no período de 12 de dezembro de 2020 a 14 de janeiro de 2021 e os comparou àqueles vigentes de 13 de novembro a 11 de dezembro de 2020. Perspectivas e meta de inflação A meta central do governo para a inflação em 2021 é de 3,75%, e o intervalo de tolerância varia de 2,25% a 5,52%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que está atualmente em 2% ao ano. Os analistas das instituições financeiras projetam uma inflação de 3,50% no ano, conforme aponta a última pesquisa Focus do Banco Central. Em 2020, a inflação fechou em 4,52%, acima do centro da meta do governo, que era de 4%. Foi a maior inflação anual desde 2016. Metas para a inflação estabelecidas pelo Banco Central Aparecido Gonçalves/Arte G1 Assista às últimas notícias de Economia: q

Planalto aguarda fim das eleições no Congresso para retomar projetos que possam trazer dividendos políticos e eleitorais a Bolsonaro. No ano passado, ele chegou a descartar uma nova rodada do programa. O presidente Jair Bolsonaro em foto do dia 19 de janeiro de 2021 Eraldo Peres/AP Photo Com a queda na popularidade do presidente Bolsonaro – e a pressão por vacinas – o governo federal aguarda o fim das eleições no Congresso, marcadas para a próxima segunda-feira (1º), para retomar projetos que possam trazer ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) dividendos políticos e eleitorais – como o Auxílio Emergencial. No fim de 2020, Bolsonaro chegou a descartar uma nova rodada do programa, dizendo que o Brasil estava no limite. Mas, nos bastidores, o governo segue trabalhando numa saída jurídica para garantir um novo pagamento da ajuda aos mais vulneráveis durante a pandemia. 40% reprovam o governo Bolsonaro e 37% aprovam, diz Datafolha Candidatos à presidência da Câmara, como Baleia Rossi (MDB-SP) e Arthur Lira (PP-AL), têm defendido nos bastidores – e junto ao mercado financeiro – a viabilidade da proposta dentro do teto de gastos. Fontes do mercado ouvidas pelo blog veem com ceticismo e preocupação a possibilidade de uma nova rodada do auxílio sem cortar gastos, e questionam qual seria a fonte de recursos. Integrantes do governo ouvidos pelo blog têm ouvido da equipe econômica que será necessário um corte em gastos com servidores, por exemplo. Do lado político, aliados de Bolsonaro defendem uma proposta que cobre mais de ricos, uma espécie de taxa. Nos bastidores, já há estudos entre governistas sobre quais isenções podem ser eliminadas para ajudar a financiar o auxílio emergencial. O auxílio é visto como um dos principais fatores que turbinaram a popularidade do presidente. Com o atraso na imunização contra a Covid-19, e a gestão considerada errática do Ministério da Saúde na pandemia, o governo quer compensar e evitar novos desgastes para a imagem do presidente, principalmente de olho em 2022.

O resultado negativo em janeiro refletiu a piora da percepção dos empresários na avaliação sobre o momento presente e redução das expectativas em relação aos próximos meses. A confiança da construção voltou a recuar em janeiro, segundo dados divulgados nesta terça-feira (26) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador caiu 1,4 ponto, para 92,5 - próximo ao nível registrado em fevereiro de 2020, antes da pandemia do coronavírus. Confiança da construção em janeiro/2021 Economia G1 O resultado negativo em janeiro refletiu a piora da percepção dos empresários na avaliação sobre o momento presente e redução das expectativas em relação aos próximos meses. Em relação ao momento presente, a queda foi de 1,9 ponto, para 90,5. Já nas expectativas, o recuo ficou em 0,9 ponto, para 94,6. Foi a terceira queda consecutiva do subíndice. “O ano se inicia com um arrefecimento no ânimo dos empresários da construção. O resultado ocorre no momento em que vem ganhando destaque a elevação dos preços dos insumos setoriais entre os fatores assinalados como limitantes aos negócios", avaliou Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE. Assista as últimas notícias de economia

Interessados podem acessar as lojas de acordo com o descritivo ou procurar pessoalmente o Balcão de Informações. Lojas dos shoppings de Mogi e Suzano reúnem 24 vagas para quem busca emprego Cristina Requena/Divulgação As lojas dos shoppings de Mogi das Cruzes e Suzano reúnem 24 oportunidades de emprego nesta terça-feira (26). Os candidatos devem acessar os estabelecimentos de acordo com o descritivo ou procurar pessoalmente o Balcão de Informações. As oportunidades são para as funções de vendedor, coordenador, operador de caixa, gerente, ajudante de cozinha, atendente, chapeiro, consultor de vendas, professor de ginástica e assistente administrativo PCD. Oportunidades em Mogi das Cruzes Vagas de emprego no shopping de Mogi das Cruzes O SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) está à disposição dos candidatos para informações, em frente à C&A. O Mogi Shopping fica na Avenida Vereador Narciso Yague Guimarães, 1001 e funciona das 10h às 20h. Para mais informações o telefone é 4798-8800. Oportunidades em Suzano Vagas de emprego no shopping de Suzano As vagas também estão disponíveis no site. O Suzano Shopping fica na Rua Sete de Setembro, 555 e funciona das 11h às 21h. Para mais informações o telefone é 2500-7940. Assista a mais notícias
A equipe econômica tem pronta para enviar ao Congresso, logo após a eleição para os comandos da Câmara e do Senado, uma sugestão de "cláusula de calamidade" pública para ser incluída na proposta de emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, que permitiria acionar mecanismos para gastos extras em “situações agudas” do país, como a atual segunda onda do coronavírus. A informação foi confirmada ao blog por fontes da equipe do ministro Paulo Guedes. A ideia já foi discutida com a área política do governo, que debate a volta do auxílio emergencial para a população que segue desassistida em meio ao crescimento de casos e mortes pela Covid-19. Os candidatos às presidências da Câmara e Senado têm defendido a volta do auxílio. Com a inclusão da cláusula na PEC do Pacto Federativo, a situação de calamidade pública permitiria gastos via créditos extraordinários, desobrigando o cumprimento de regras como a do teto de gastos, e suspenderia temporariamente metas de resultado primário. Em troca, a cláusula exigiria que governos federal, estadual e municipal suspendessem reajustes de salários para servidores, além de limitar outros gastos. O mecanismo poderia ser utilizado por períodos menores do que um ano. Ao longo de 2020, o orçamento de guerra aprovado no Congresso permitiu que recursos fossem utilizados para fazer frente à pandemia sem precisar respeitar metas para controle de gastos públicos. Os recursos utilizados ao longo do ano somaram mais de 10% do PIB do país, ampliando a dívida pública. 'Classe política tem de assumir a responsabilidade pelos orçamentos', diz Guedes em live com investidores Além de segurar reajustes de salários – medida exigida dos estados e municípios para liberar a ajuda federal em 2020, mas que vem sendo burlada por gestores no país – o governo pensa em condicionar recursos a outros compromissos, como a venda de estatais ou suspensão temporária de realização de novos concursos públicos. VÍDEOS: notícias de economia
Informações foram divulgadas nesta terça-feira por meio da ata da última reunião do Copom, realizada na semana passada. Na ocasião, o comitê manteve a taxa básica de juros em 2%, a menor da história. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central informou nesta terça-feira (26) que a evolução da pandemia, com o aumento do número de casos neste começo de ano, assim como o fim do auxílio emergencial, podem implicar um cenário doméstico "caracterizado por mais gradualismo ou até uma reversão temporária da retomada econômica". O Copom também afirmou que chegou a avaliar uma elevação na taxa básica de juros. As informações constam na ata da última reunião do Copom, realizada na semana passada, quando a taxa básica de juros da economia foi mantida na mínima histórica de 2% ao ano. "A incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o primeiro trimestre deste ano, concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais", informou. Acrescentou ainda que a "pouca previsibilidade associada à evolução da pandemia e ao necessário ajuste dos gastos públicos a partir de 2021 aumenta a incerteza sobre a continuidade da retomada da atividade econômica". Depois de cair com decisão do Copom, dólar vira e é negociado a R$ 5,39 Taxa Selic O Copom disse que preferiu tomar uma decisão sobre uma eventual alta dos juros quando surgirem mais informações sobre o cenário. "Alguns membros questionaram se ainda seria adequado manter o grau de estímulo extraordinariamente elevado, frente à normalização do funcionamento da economia observada nos últimos meses (...) Esses membros julgam que o Copom deveria considerar o início de um processo de normalização parcial, reduzindo o grau 'extraordinário' dos estímulos monetários", diz a ata. No encontro, o Copom também anunciou o fim do chamado "forward guidance", a orientação futura que indica a manutenção dos juros respeitadas certas condições. O BC informou que essas condições deixaram de ser satisfeitas já que as expectativas de inflação estão próximas da meta. Segundo a instituição, isso não significa, no entanto, que haverá uma elevação da taxa de juros no próximo encontro do Copom, “pois a conjuntura econômica continua a prescrever, neste momento, estímulo extraordinariamente elevado frente às incertezas quanto à evolução da atividade”. A expectativa do mercado financeiro é de que a taxa básica de juros permaneça no atual patamar de 2% ao ano até junho deste ano, quando a taxa avançaria para 2,25% ao ano. A previsão é de que a Selic termine 2021 em 3,5% ao ano e 2022 em 4,75% ao ano. Choques 'temporários' de inflação Na ata do Copom, o BC avalia que a recente elevação no preço de "commodities" (produtos com cotação internacional, como petróleo, minério de ferro e soja) e seus reflexos sobre os preços de alimentos e combustíveis implicam elevação das projeções de inflação para os próximos meses. "Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários, ainda que tenham se revelado mais persistentes do que o esperado. Assim, o Copom segue monitorando sua evolução com atenção, em particular as medidas de inflação subjacente", acrescentou. O Copom fixa a taxa básica de juros com base no sistema de metas de inflação, olhando para o futuro pois as decisões demoram de seis a nove meses para terem impacto pleno na economia. Neste ano, a meta central é de 3,75%, mas o IPCA pode ficar entre 2,25% a 5,25% sem que a meta seja formalmente descumprida. Para 2022, a meta central é de 3,5% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2% a 5%. Considerando as projeções do mercado de para câmbio e juros (alta para 3,5% ao ano em 2021 e 4,75% ao ano em 2022), o BC estimou que o IPCA, a inflação oficial do país, ficará em torno de 3,6% neste ano e de 3,4% em 2022, ou seja, já próximos das metas centrais fixadas pelo Conselho Monetário Nacional. VÍDEOS: veja mais notícias de economia

Sem o suporte dos benefícios emergenciais, as famílias continuam postergando consumo e dependendo da recuperação do mercado de trabalho, que tende a ser lenta diante do cenário atual, segundo coordenadora das sondagens da FGV. Consumidor Jefferson Severiano Neves/EPTV O índice que mede a confiança do consumidor caiu 2,7 pontos em janeiro, para 75,8 pontos, menor valor desde junho de 2020 (71,1 pontos), quando se iniciava a fase de recuperação das perdas sofridas nos primeiros quatro meses de 2020, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). “A confiança do consumidor manteve a trajetória de queda pelo quarto mês consecutivo. O recrudescimento da pandemia e a necessidade de adoção de medidas mais restritivas por algumas cidades geram grande preocupação com os rumos da situação econômica do país e das famílias. Sem o suporte dos benefícios emergenciais, as famílias continuam postergando consumo e dependendo da recuperação do mercado de trabalho, que tende a ser lenta diante do cenário atual”, afirma Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens da Fundação Getulio Vargas (FGV). Em janeiro, houve piora tanto da percepção dos consumidores em relação ao momento quanto das expectativas para os próximos meses. O indicador que mede as perspectivas sobre a economia foi o que mais contribuiu para a queda do índice de confiança. Já a percepção de piora da situação corrente é mais evidente na satisfação com as finanças familiares. Com perspectivas mais pessimistas, consumidores sinalizam também um menor ímpeto de compras, com o menor patamar desde julho de 2020. Por faixas de rendimento, houve recuo da confiança em todas as famílias, exceto nas de renda até R$ 2,1 mil, que teve aumento. Apesar disso, como o índice desta faixa de renda mais baixa havia recuado no mês anterior, continua sendo o menor entre as quatro classes de renda. Para as famílias de maior poder aquisitivo, a queda da confiança foi influenciada pela piora nas expectativas em relação à situação econômica e ao mercado de trabalho. Assista a mais notícias de Economia:

Receberão o recurso beneficiários que fizeram a contestação em novembro e dezembro ou que tiveram o pagamento reavaliado em janeiro de 2021; liberação do dinheiro será no próximo dia 28. Auxílio emergencial Reuters O Ministério da Cidadania divulgou calendário de pagamento do Auxílio Emergencial para o total de 196 mil beneficiários, totalizando R$ 248,6 milhões em recursos. Trata-se de dois grupos que receberão o benefício: Beneficiários que fizeram a contestação no período de 7 a 16 de novembro e de 13 a 31 de dezembro de 2020 - 191 mil pessoas; Beneficiários que tiveram o pagamento reavaliado em janeiro de 2021, decorrente de atualizações de dados governamentais - 5 mil pessoas. Esses beneficiários receberão de uma só vez todas as parcelas a que têm direito. Os recursos estarão disponíveis no dia 28 de janeiro, quinta-feira, tanto para transferências e pagamentos quanto para saques. Entre o total de 196 mil trabalhadores: 8,3 mil receberão a segunda, a terceira, a quarta e a quinta parcelas do Auxílio Emergencial 40,9 mil pessoas receberão as três últimas parcelas. 68,1 mil terão direito à quarta e à quinta parcelas. 78,3 mil vão receber somente a quinta parcela. Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br. Veja o calendário completo de pagamentos do Auxílio Emergencial Saiba como liberar a conta bloqueada no aplicativo Caixa Tem Tira dúvidas sobre o Auxílio Emergencial SAIBA TUDO SOBRE O AUXÍLIO EMERGENCIAL Os créditos das últimas parcelas do benefício se encerraram no último dia 29 de dezembro. Já a liberação de saques termina nesta quarta-feira (27). Calendário de saques do Auxílio Emergencial Reprodução/Caixa Econômica Federal O Auxílio Emergencial foi liberado para 68 milhões de trabalhadores - 32,2% da população e cerca de 40% das residências - pagando o total de R$ 330 bilhões, segundo o Ministério da Cidadania. Assista a mais notícias de Economia:
Omie, Propz, Sambatech, Konduto, Getrak, Zup, Méliuz, Pessoalize, Provi, Cidadania4u, SalesFarm e Sólides são as empresas com vagas abertas. As empresas Omie, Propz, Sambatech, Konduto, Getrak, Zup, Méliuz, Pessoalize, Provi, Cidadania4u, SalesFarm e Sólides estão com vagas de emprego abertas. Veja abaixo detalhes dos processos seletivos: Veja mais vagas de emprego pelo país Omie A Omie abriu 87 vagas de emprego para a unidade matriz na cidade de São Paulo e em franquias como as capitais Rio de Janeiro, Salvador, Belém, Porto Alegre e cidades do interior de São Paulo e de Minas Gerais. As oportunidades oferecidas são para Executivo de Vendas e de Contas, Analista de Projetos, Analista de SEO, Consultor de Campo e de Expansão, Customer Success, Agente de Relacionamento, Coord. Comercial, entre outros. Para se candidatar acesse o link https://trabalheconosco.vagas.com.br/omie. Propz A Propz está com vagas para as seguintes funções: Analista de Marketing Pleno, Cientista de Dados Pleno, Senior Data Engineer, Coordenador de BI, Analista de BI, Analista de Requisitos ((PRD) Produtos - Core & XP), Analista de CRM (Ativação), Analista de CRM Sênior (Planejamento), Analista de Infraestrutura ((SEG) Segurança da Informação e TI), Consul. de Relacionamento ((B2B) Relacionamento B2B). Para ter mais detalhes das vagas, acesse https://propz.recruitee.com/. Sambatech A Sambatech está com 27 vagas abertas para customer success (analista); analista comercial júnior, coordenação comercial, analista de qualidade e teste de software, desenvolvimento Backend Java/Python Jr, desenvolvimento Backend Java/Python Pleno, desenvolvimento Front-End (Pleno), Business Development Representative (BDR), para analista de projetos (Home Office / Remoto) e UX/UI Designer (Home Office / Remoto) . Além disso, a nova unidade de negócios da empresa, a Samba Digital, focada em transformação digital, também está com vagas para: Desenvolvedor (a) .NET Pleno, Desenvolvedor (a) .NET Sênior, Desenvolvimento Backend PHP/Node Júnior, Desenvolvimento Backend PHP/Node Pleno, Desenvolvimento Front-End - (Home Office / Remoto), Desenvolvimento ML Node/Python Pleno e Desenvolvimento iOS/Android híbrido [React Native] - (Home Office / Remoto). Os interessados devem se candidatar pelo https://jobs.kenoby.com/sambatech-carreiras/. Konduto A Konduto está com vagas abertas para: UX/UI Designer, Analista Comercial SDR, Analista de Dados, Dev Full Stack, DevOps Engineer SR e Backend Engineer. Os interessados devem se candidatar pelo link https://carreiras.konduto.com/. Getrak A Getrak está com 7 vagas para Desenvolvedor Back End Pleno, Desenvolvedor Back End Sênior, Desenvolvedor Front End Sênior, Desenvolvedor Front End Pleno, Analista de Produto/ PO, Scrum Master e Analista DevOps. Os interessados devem se candidatar pelo site https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6723996598029848576/. Zup A Zup criou o programa Orange Talents para contratar mais de 500 desenvolvedores juniores. Após 12 semanas, elas terão a oportunidade de continuar trabalhando na empresa, subir de cargo e dobrar o salário inicial. A página oficial do programa é: https://www.zup.com.br/orange-talents. Méliuz A Méliuz está com 40 vagas abertas para a área de tecnologia para desenvolvedor Back-end e Front-End, desenvolvedor de Testes, desenvolvedor Mobile, SRE/DevOps e Product Mananger. Todas as vagas são para posições Pleno e Sênior, 100% remotas. Inscrições pelo site https://meliuz.gupy.io/ Pessoalize A Pessoalize está com vagas abertas para surdos e intérpretes fluentes em Libras nas áreas atendimento ao cliente. Os interessados podem acessar os detalhes da vaga no site https://www.instagram.com/pessoalize Provi A Provi está com vagas abertas para as áreas de tecnologia, inovação, experiência do cliente, vendas, entre outras. Os interessados podem acessar as informações no site: https://www.notion.so/Carreiras-na-Provi-0db6d02b3f114837aac361adf8dad9ff Cidadania4u A Cidadania4u está com oito vagas abertas para Inside Sales em formato remoto/home office. É desejável que o candidato tenha formação em administração, marketing, engenharias, Direito ou áreas afins; experiência com vendas; e conhecimento de técnicas de vendas (SPIN Selling, BANT, GPCT) é um diferencial. Os interessados devem se candidatar pelo link https://cidadania4u.gupy.io/jobs/634070?jobBoardSource=gupy_public_page . SalesFarm A SalesFarm está com 30 vagas abertas para a vendedor. As oportunidades são para qualquer lugar do Brasil, pois o trabalho é 100% remoto. Os interessados devem se candidatar pelo site https://www.salesfarm.com.br/entrevista. Sólides A Sólides está com 19 vagas atualmente e até fevereiro vai disponibilizar em torno de 100 oportunidades para os cargos de vendedor(a) - Inside Sales, gerente de Inbound Marketing, desenvolvedor(a) Ruby On Rails - Pleno, estágio em Recrutamento e Seleção, analista de QA Pleno, desenvolvedor(a) React.js, engenheiro de Machine Learning e IA, customer Success OPS (Análise de dados), gestor(a) VSB (Very Small Business), estagiário Inside Sales, gestor(a) de HRScore, analista de Processos, secretária (o) executiva (o), estagiário de Métricas em Marketing, UX/UI - Product Designer Pleno, Analista de Suporte Técnico e Desenvolvedor(a) Backend - PHP Pleno, entre outros. Os interessados devem se candidatar pelo link https://solides.solides.jobs/. Assista a mais notícias de Economia:

Tira-dúvidas comenta a importância da conta do e-mail e explica como você pode se proteger de acessos não autorizados. Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados etc.), envie um e-mail para [email protected] A coluna responde perguntas deixadas por leitores às terças e quintas-feiras. Violação da conta de e-mail pode revelar muitos outros dados e informações pessoais. linusb4/Freeimages.com O que alguém poderia fazer se tivesse acesso ao meu Gmail? – 'O. Oliveira' O Gmail está ligado à sua conta Google. Na prática, uma invasão ao Gmail significa que houve também uma invasão da conta Google, e você poderá ter problemas decorrentes desses dois fatores. Sendo assim, vamos pensar nessa pergunta em partes: os riscos associados ao e-mail em si e, depois, a conta Google. Riscos de invasão ao e-mail Esses riscos existem para qualquer conta de e-mail, incluindo Yahoo, Zoho, Outlook e outros. O invasor terá acesso a todas as suas mensagens, e isso inclui comunicações pessoais realizadas por e-mail. É comum receber documentos (como notas fiscais eletrônicas) no e-mail. Esses arquivos terão seus dados pessoais, como CPF, endereço e as informações do serviço prestado. Todos esses dados podem ser facilmente obtidos pelo invasor com uma pesquisa. O invasor poderá saber em quais lojas você faz compras e até em quais bancos você tem conta. Ele pode usar esses dados para aplicar novos golpes com impacto financeiro direto contra você. Imagine receber uma ligação falsa sobre uma compra que você acabou de fazer, com todos os dados corretos dela – a chance de acreditar que o contato é legítimo é muito maior. O endereço de e-mail é usado como fator de recuperação de conta em vários serviços. Isso significa que sua caixa de mensagens é um excelente ponto de partida para aprofundar o acesso a outras contas, como redes sociais, lojas (incluindo lojas de serviços online, como jogos e aplicativos). Riscos para contas de sistema Os riscos abaixo também existem para outras contas que dão acesso a diversos serviços de internet e a serviços de sistema operacional, como Google (Android/ChromeOS), Microsoft (Windows/Office) e ID Apple (iOS/macOS). A conta Google dá acesso ao Google Drive, onde você estar armazenando documentos pessoais, e ao Google Fotos, onde você pode ter muitas fotos pessoais, incluindo imagens íntimas. Todos esses dados podem ser usados contra você. Já a conta Microsoft dá acesso ao OneDrive, enquanto o ID Apple abre o iCloud. Se você não desligou o Histórico do YouTube, o invasor saberá todos os vídeos que você assistiu na plataforma, além de ter acesso às suas listas de reprodução, vídeos não listados e privados. A conta Microsoft pode ter dados sobre os programas que você usa em seu computador. Há muitos serviços associados a essas contas com dados potencialmente pessoais. É possível que o invasor consiga extrair todos esses dados de uma só vez por meio de recursos como o "Takeout" (Google) e o "Baixe seus dados" (Microsoft). Caso não consiga recuperar uma conta invadida, você corre risco de perder o acesso a aplicativos e conteúdo comprados na Play Store (Android), Microsoft Store e Xbox (Windows) ou App Store e iTunes (Apple). Riscos circunstanciais Esses riscos dependem das configurações que você realiza em outros serviços. O Google (assim como o Facebook e a Apple) é um prestador de "login único" bastante popular. Vários outros serviços na internet podem usar sua conta Google como login direto. Quem tiver acesso à sua conta Google poderá acessar todos os serviços em que você usou sua conta Google para realizar o login. Se você utiliza o backup online do WhatsApp no celular, o arquivo de backup é armazenado na sua conta Google (Android) ou Apple (iPhone/iOS). Sendo assim, o acesso à sua conta Google facilita o acesso ao backup contendo todas as suas mensagens, e este poderá ser acessado de forma bastante simples ao ativar seu número do WhatsApp em um celular do invasor (caso ele consiga ativar o seu WhatsApp também). Além do WhatsApp, vários outros apps realizam backups ou salvam dados no Google Drive. Todos esses dados poderão ser acessados pelo invasor. Como proteger sua conta? A verificação ou confirmação em duas etapas (também chamada de "autenticação multifatorial") é a melhor forma de proteger suas contas em serviços on-line. Você pode gerenciar suas configurações de verificação em duas etapas pela verificação de segurança do Google (https://myaccount.google.com/security/). Verificação de segurança do Google oferece uma visão geral sobre a sua conta. Você pode desautorizar dispositivos antigos e ativar a verificação em duas etapas. Reprodução Veja todas as dicas: Cuidado com sites falsos. Sempre confira se o endereço que aparece no seu navegador web está correto (por exemplo, com "google.com" em destaque ao final do endereço) antes de digitar sua senha. Use apenas dispositivos confiáveis. Não utilize computadores ou celulares de outras pessoas. Cuidado com programas que roubam senhas. instale aplicativos ou programas piratas e não abra links em e-mails inesperados. Cuidado com mensagens e e-mails. Cuidado com ofertas inesperadas que exijam um login na sua conta Google, acesso a links desconhecidos ou abertura de anexos. Use o bloqueio de tela. Bloqueie o seu computador ou celular para evitar que outras pessoas tenham acesso quando você não estiver olhando. Cuidados com a verificação em duas etapas Com a verificação em duas etapas, você terá de fazer login usando sua senha e um fator adicional de autenticação. Esse fator adicional, no Google, pode ser um código recebido em seu telefone, um código gerado por um aplicativo ou uma autorização por um dispositivo USB/NFC (sem fio de celular). A autorização por USB/NFC exige a aquisição de do aparelho (chamado de "chave U2F" ou "chave FIDO"). Para quem não quer gastar esse dinheiro, o código gerado por aplicativo é a opção mais segura. Tenha cuidado para não ficar sem a chave de acesso adicional. O Google permite gerar "chaves fixas" que podem ser usadas em caso de problemas, permitindo que você reconfigure a verificação em duas etapas da sua conta. Gere e guarde essas chaves de recuperação em segurança. Dúvidas sobre segurança digital? Envie um e-mail para [email protected] Veja dicas sobre Segurança Digital 5 dicas de segurança para sua vida digital Vídeos para navegar com segurança na rede

Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco Beatriz Braga/G1 Petrolina Foram divulgadas as vagas de emprego disponíveis nesta terça-feira (26) em Petrolina e Salgueiro, Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas no G1 Petrolina. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. O atendimento na Agência do Trabalho ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão. Petrolina Contato: (87) 3866 - 6540 Vagas disponíveis Salgueiro Contato: (87) 3871-8467 Vagas disponíveis GR1 de segunda-feira, 25 de janeiro
Oportunidades foram disponibilizadas em 16 municípios do estado e incluem cargos como costureira, técnico em nutrição e vendedor pracista. Confira vagas de emprego disponíveis nesta terça-feira Profissionais que estão em busca de uma oportunidade de emprego têm 337 vagas disponíveis através da Agência do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq), em 16 municípios do estado, nesta terça-feira (26). Há oportunidades no Recife (141), Arcoverde (5), Bezerros (4), Cabo de Santo Agostinho (30), Caruaru (52), Garanhuns (2), Igarassu (1), Ipojuca (1), Paudalho (1), Nazaré da Mata (2), Petrolina (9), São Lourenço da Mata (5), Salgueiro (13), Santa Cruz do Capibaribe (44), Serra Talhada (5) e Vitória de Santo Antão (27). Do total, há mais de cem vagas para o cargo de costureira de máquinas industriais, no Recife. Outras dez oportunidades foram reservadas para pessoas com deficiência e são para o cargo de operador de atendimento receptivo (telemarketing), também na capital pernambucana (confira lista completa mais abaixo). Interessados devem agendar atendimento em uma das Agências do Trabalho do estado. O atendimento ocorre preferencialmente com agendamento, feito pelo site da secretaria ou pelo Portal Cidadão. Vagas de emprego Vagas para pessoas com deficiência Vagas temporárias VÍDEOS: Concursos e emprego

Levantamento da plataforma Catho mostra que pandemia impulsionou procura por profissionais do setor. Cientista de dados Myriam Jessier/Unsplash O estado de São Paulo registrou crescimento de até 671% em 2020 nas vagas do setor de tecnologia, segundo levantamento da Catho. Segundo a pesquisa, que compara a abertura de vagas de 2020 com 2019, os cargos que mais tiveram maior crescimento na oferta de vagas foram cientista de dados (671%), desenvolvedor.NET (517%), devOps (460%), web developer (97%) e programador ADVPL (60%). Para Eber Duarte, diretor de tecnologia da Catho, o aumento na procura por profissionais mesmo em meio à pandemia é reflexo da transformação digital vivenciada por empresas de diversos segmentos que atuam na cidade e estado. "Nesta mudança para o digital, o profissional de tecnologia é imprescindível. É ele quem irá conduzir esse processo, que pode ser desde a criação de um site que irá permitir que lojas físicas se tornem e-commerces até a otimização e automação de processos internos que possibilitam a eficiência operacional das companhias. E este movimento não deve terminar num cenário pós-pandemia. É uma tendência que veio para ficar." Conheça abaixo os cinco cargos em tecnologia que mais cresceram no estado de São Paulo no último ano: Cientista de dados (671%): Essa área tem ganhado cada vez mais destaque, uma vez que o maior ativo das empresas hoje são os dados, e é de interesse do negócio saber padrões de comportamento de seus clientes, produtos e serviços. Cabe a esse profissional reunir, interpretar e comunicar toda informação relevante contida em toneladas de dados que as empresas armazenam, e dar a eles valor e relevância. Desenvolvedor.NET (517%): O profissional é responsável por planejar, codificar, depurar e testar sistemas utilizando a linguagem .NET. Ou seja, participa de todo o ciclo de desenvolvimento de websites e aplicações .NET. DevOps (460%): Esse profissional atua próximo ao time de desenvolvimento de softwares, ampliando o conhecimento dos desenvolvedores sobre infraestrutura. Na prática, é o profissional que trabalha construindo mecanismos que buscam trazer mais confiabilidade e qualidade para os sistemas. Web Developer (97%): Realiza o desenvolvimento técnico e visual de páginas da internet e manutenção de sites, definindo linguagens, bancos de dados, armazenamento e atualização de informações, a fim de atender o volume de internautas e seu correto funcionamento. Programador ADVPL (60%): Programa e desenvolve em sistema ADVPL, codifica e testa sistemas. Executa a manutenção dos sistemas, fazendo eventuais correções necessárias, visando atender às necessidades dos usuários. Desenvolve trabalhos de montagem, depuração e testes de programas, executando serviços de manutenção nos programas já desenvolvidos. Assista a mais notícias de Economia: